Com inflação fraca, 8 em cada 10 acordos salariais tiveram aumento real em 2017

No ano anterior, 27% dos acordos tiveram reajustes acima da inflação, segundo levantamento da Fipe; 10% das negociações resultaram em reajustes abaixo da inflação em 2017, contra 46% em 2016.

Em um ano marcado por alta de preços mais controlada, a maioria dos acordos salariais trouxe ganhos reais em 2017 para os trabalhadores. É o que aponta pesquisa divulgada nesta terça-feira (23) pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), com dados do Ministério do Trabalho e Emprego.

De todos os reajustes salariais acertados no ano passado, 79% conseguiram aumentos acima da inflação, segundo a Fipe. Em 2016, esse percentual foi bem menor – de 27%.

Os dados consideram a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em 2017, o INPC avançou 2,07%.

Apesar do recuo da inflação, 10% dos acordos tiveram reajustes inferiores ao índice. Trata-se de uma redução em relação ao número registrado em 2016, de 46%, marcando o pior dos últimos 9 anos para os reajustes salariais.

Reajustes salariais em 2017
em %

Acima da inflação: 79,5Igual à inflação: 10,6Abaixo da inflação: 10

Acima da inflação
reajustes 79,5
Fonte: Fipe
Reajustes salariais em 2016
em %

Acima da inflação: 27,4Iguais à inflação: 26,1Abaixo da inflação: 46,5

Abaixo da inflação
reajustes 46,5
Fonte: Fipe

Ganho real

Considerando os mais de 17 mil acordos de reajustes salariais no ano, os profissionais tiveram um ganho real mediano de 0,67%, de acordo com a pesquisa da Fipe. No ano passado, o ganho havia sido nulo.

Na divisão por estados, o Amazonas registrou o maior reajuste real, com mediana de 1,27%, seguido pelo Espírito Santo, com 1,02%. Já o aumento mais baixo em 2017 aconteceu no Acre, com 0,06% de aumento real dos salários. O segundo ganho mais baixo foi de 0,18% em Sergipe.

Ganhos reais por estado em 2017
Considerando as medianas dos reajustes salariais

em %1,271,271,021,021,021,020,980,980,920,920,840,840,730,730,660,660,610,610,520,520,520,520,420,420,420,420,310,310,180,180,060,06AMRNSPPIMAGOPRMGPERSAPCEPBAC00,20,40,60,811,21,4

ES
Estados 1,02
Fonte: Fipe

Mercado de trabalho em 2017

Desemprego: pessoas procuram vagas em São Paulo (Foto: Paulo Whitaker/Reuters)

A Fipe destaca que os números constituem em um “balanço positivo” dos reajustes salarias. Segundo a pesquisa, a quantidade de acordos para redução de jornada de trabalhos e de salários caiu 65% entre 2016 e 2017, para 137 casos no ano passado.

O ano foi marcado por um recuo da taxa de desemprego, em um movimento, porém, puxado pelo trabalho informal e por conta própria, enquanto o índice que mede o trabalho com carteira assinada ainda mostra dificuldades. Houve ainda a aprovação da reforma trabalhista, que provocou mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho.

Fonte: G1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *